domingo, outubro 18, 2015

Prosa fiada

Você não sai da métrica
da rima
de cima
desse muro
previsível

Tua retórica comedida
tantas vezes repetida
não cabe num poema
nas mãos que acenam
ao olho e sonho nús

Seus versos mecânicos
sutilmente formais
prendem-se à vida que tu crias
e mastiga
até doer mais

0 comentários:

Postar um comentário