quarta-feira, maio 28, 2014

Ode à família


família tem aos montes
família A, B, C
família não sei do quê.

a minha não tem sobrenome famoso
nem sorriso falso de margarina.

a gente corre no osso
desviando da guilhotina.

mas levamos entre os dentes
essa ambiguidade
essa confiança, tão demodê.

domingo, maio 18, 2014

Cicatriz

me cicatrizar
no seu corpo
perdurar
na sua vida
dar mais um laço
nesse nó, nesse linho
correr junto
este caminho
contra corrente
infinitamente
até que esse jugo,
o amor,
nos liberte.

sexta-feira, maio 09, 2014

Transa

transei no
trânsito
transitei pelo
seu corpo
num transe
tântrico.

terça-feira, maio 06, 2014

corpo e espírito

um anjo
safado
tal qual
de chico
deixou
o perfume
e a vontade
em mim
como um
querubim.

sábado, maio 03, 2014

Arrebatamento

Quando a gente pensa
Em quanto tempo faz
Vê que tudo foi mais
Que um lapso atroz

Veio como carne, como bicho
Saliva marcando meu corpo
Meu suor em você
Lascivo nosso jogo

Cama, sofá, chão
Ônibus, areia, colchão
Deixando o relógio depressa
E meus batimentos aos poucos

Tanta fuga
De mim, de nós, de tudo
Teu cheiro
Em mim, no quarto escuro
Teu beijo
Um apelo, tatuado no peito

Veio e ficou.
O pensamento inerte
As horas descompassadas
Vestígio de amor

Nada mudou.
Teu coração criança
E a minha paciência
De guardar
Anseios, gozo e apelos
E te cravar
Sob nosso sonho.

13/10 - 16h20