quarta-feira, abril 30, 2014

Quem diria

mas quem diria você
trocando olhares para não sofrer
na trama dialética
do esquecer

quem diria você
quebrando os ovos
arrastando os pés
deixando sujo
pra eu varrer

diria você
que isso é coisa minha
que aprendeu bem a regrinha
tão covarde do viver

você
joga na cara
as minhas dívidas, as minhas dúvidas
numa segurança frágil
dá pra perceber

mas vice-versa, revides da vida
você se engana
eu acho que vou seguindo
pra não me perder.

segunda-feira, abril 28, 2014

Puro, quente e amargo



















A fumaça do café
Sobe pela chaminé
Vicia e se esvai
Como aquela
Mulher.

domingo, abril 27, 2014

Entre os anos

Nada tão domingo
O sol ventando
O céu azulando

Eu e você acordando

Nada tão íntimo
A cortina balançando
A cidade respirando

Você e eu contando

Nada tão nosso
O cafezinho cheirando
Os dedos poetizando

Eu e você lutando.

sexta-feira, abril 25, 2014

Fugas

alguns beijos
transa fugaz
alguns copos
dançando com teu jazz
arranha me assanha
curta-metragem voraz
algo ficou de nós.


quinta-feira, abril 24, 2014

ESCALA SEM MI Menor

Sem a corda mi
  Eu bebo
     E não consigo
dormir.

quarta-feira, abril 23, 2014

De quando a vontade de voltar foi embora

A vida cobra seu preço no mercado.

Feijão, arroz e carne
A pizza, fica pra depois.

Só vou dormir mais tarde,
Cozinho pra nós dois.

Prateleiras cheias de mistério
A vida com medo e anseio.

24/08/13 - 20h07

Segunda-feira

Eu preciso, mas não consigo
Do lado de cá
Carregar pela estrada o fim da história

Visto meus óculos,
Encho meus pulmões
Com o amargo gosto de memória

Nossa luta, os sonhos, os versos
Insistem em ficar um pouco
Até a próxima esquina
Até eu cansar de correr
E o coração bater rouco.

12/08/13 - 13h06