quarta-feira, outubro 13, 2010

Num papel de pão

eu trato
de mim e dele
e penso quem sou
pra fazer valer
nosso amor barganhento
que não pede muita coisa
e não dorme no ponto

amor de calor
se refresca na saudade
e quando chega, invade
o sofá de casa e ventilador

chega mais
porque quem jaz
agora é a tristeza,
que andava por aqui
mas, fez o favor de partir

esse é o tipo de querer
que é de não contrariar
noite e alvorecer
manha e viver

nosso tempo é curto
o beijo é certo
e sem pedir eu faço
com você...
um trato.