segunda-feira, outubro 12, 2009

Mim

A vida passa, os beijos passam, eu passo.
Passei pro lado de lá e vejo que a vida é tão azeda.
Mas o azedo também passa a vez, fica fora de moda.
E a moda é tão padronizada, consequentemente, os azedumes também.
Por que temos que saborear as coisas, as pessoas, com tanto temor?
Queria poder quebrar esses vidros, esses espelhos.
Romper sempre é doloroso, mas a gente expande, faz diferente.
Eu estava sentada, ouvindo o relógio, olhando cada minuto passar.
Meus ombros duros, meus dedos cruzados, minhas pernas estáticas.

Eu dormia durante algumas horas e nas outras noites fiquei acordada.
Bebi
Sorri
Dancei.

2 comentários:

Anônimo disse...

po lindão mesmo
num sabia desse lado bruninha
bjos...
Pedrinho

Taiomara Fina disse...

não sou a mais aconselhável para criticar suas intimidades, analizar com olhos de conhecedora do assunto, mas essa me chamou a atenção =)

Postar um comentário